DAVID GILMOUR EM SÃO PAULO - DIAS 11 E 12 DE DEZEMBRO DE 2015

 

Os dias 11 e 12 de dezembro de 2015 vão ficar para a história dos shows de grandes astros internacionais realizados no Brasil, principalmente para aqueles que são fãs do Pink Floyd.

 

Foi nestas datas que o lendário guitarrista e principal vocalista do Pink Floyd, o britânico David Gilmour, veio pela primeira vez ao Brasil trazendo a tour que divulga seu mais recente trabalho de estúdio, o fantástico álbum Rattle That Lock.

 

O Star Trips foi conferir a apresentação do dia 12, sábado, e este redator, fã incondicional de Pink Floyd, ficou totalmente rendido ao mestre Gilmour e sua fantástica banda de apoio. Aproveitando o ensejo, antes de falar sobre o espetáculo em si, vamos falar sobre os músicos que acompanharam David Gilmour nestas apresentações:

 

- Phil Manzanera, outro mestre das seis cordas, músico e produtor musical, muito conhecido por ter feito parte de um dos grandes grupos musicais dos anos 1970, o Roxy Music; foi co-produtor do penúltimo álbum de David Gilmour, On An Island, e também do mais recente trabalho do músico, Rattle That Lock; também participou da produção de Endless River, mais recente trabalho do Pink Floyd.

 

- Guy Pratt, baixista que tem acompanhado o Pink Floyd nos últimos anos; também tem participado de vários trabalhos da carreira solo de David Gilmour.

 

- Jon Carin, multi-instrumentista e produtor musical; outro fiel companheiro de David Gilmour tanto no Pink Floyd como em sua carreira solo; atua como tecladista e também canta.

 

- Steve DiStanislao, baterista e percursionista; outro grande músico que vem acompanhando David Gilmour e o Pink Floyd em seus mais recentes projetos.

 

- Kevin McAlea, tecladista; conhecido por seus trabalhos junto à cantora Kate Bush.

 

- Lucita Jules, vocais de apoio.

 

- Bryan Chambers, vocais de apoio.

 

- João de Macedo Mello, jovem saxofonista brasileiro (de Curitiba); está substituindo brilhantemente o saxofonista Theo Travis em algumas pernas da turnê de David Gilmour.

 

Assim como na noite anterior, a apresentação começou às 21 horas e 10 minutos. As luzes se apagaram levando todos à loucura. O Mestre estava pronto para dar o ar de sua graça... E os primeiros acordes, suaves e um tanto quanto tristonhos, da canção 5 A.M. deram o tom da maravilhosa viagem musical que estava se iniciando naquele momento.

 

O setlist escolhido para estes shows não poderia ser melhor. Logicamente que ficaram de fora um sem número de músicas, tanto do Pink Floyd como da carreira solo de David Gilmour. Mas é de se imaginar o grau de dificuldade de se montar um setlist de um artista como Gilmour.

 

No geral, ele optou por mostrar muitas músicas do seu mais recente trabalho, as quais são intercaladas entre músicas de sua carreira no Pink Floyd; sete canções de Rattle That Lock fazem parte do show. Em termos de Floyd, rolaram sons de diversas fases da banda. Porém, predominou The Dark Side Of The Moon, com quatro músicas do disco sendo executadas. 

 

Confira a seguir o setlist completo:

 

Setlist da primeira parte:

 

5 A.M.                                                                                 (Rattle That Lock)

Rattle That Lock                                                                (Rattle That Lock)

Faces of Stone                                                                   (Rattle That Lock)

Wish You Were Here                                                          (Wish You Were Here)

A Boat Lies Waiting                                                            (Rattle That Lock)

The Blue                                                                             (On an Island)

Money                                                                                 (The Dark Side Of The Moon)

Us and Them                                                                      (The Dark Side Of The Moon)

In Any Tongue                                                                    (Rattle That Lock)

High Hopes                                                                         (The Division Bell)

 

Setlist da segunda parte:

 

Astronomy Domine                                                             (The Piper at the Gates of Dawn)

Shine On You Crazy Diamond (Parts I-V)                           (Wish You Were Here)

Fat Old Sun                                                                         (Atom Heart Mother)

On an Island                                                                        (On an Island)

The Girl in the Yellow Dress                                               (Rattle That Lock)

Today                                                                                   (Rattle That Lock)

Sorrow                                                                                 (A Momentary Lapse of Reason)

Run Like Hell                                                                       (The Wall)

 

BIS:

 

Time                                                                                    (The Dark Side Of The Moon)

Breathe (Reprise)                                                                (The Dark Side Of The Moon)

Comfortably Numb                                                              (The Wall)

 

(Texto escrito por Betão Star Trips)

 

 

Relato de um fã (por Samuel Luís Nunes)

 

A minha expectativa em relação a esse show já era bem alta, afinal, trata-se de uma lenda viva do Rock. Eis que lá chegando, minhas expectativas não só foram satisfeitas, mas superadas.

 

A começar pela banda, que executou todas as músicas com uma perfeição de detalhes que beira a obsessão. Quase pedi meu dinheiro de volta, achando que estavam dublando playbacks... rsrsrs.

 

Áudio perfeito, acho que se caísse uma agulha no palco, seria possível ouvir. Iluminação e telão ajudando a reforçar o clima de cada música.

 

E, finalmente, ele... Mr. David Gilmour. O cara não é um ser humano. É uma entidade!

 

Veio com os timbres de guitarra mais impecáveis e matadores que eu já ouvi, executando todas as passagens com uma precisão micrométrica, aliada a muito feeling e carisma. E além de tudo, tocando com visível prazer.

 

Em um mundo que valoriza cada vez menos a qualidade melódica e o virtuosismo, chega a ser quase impensável um guitarrista prender a atenção de um estádio lotado com longos solos. E ainda assim, o que se viu foi uma multidão hipnotizada, saboreando cada nota.

 

Canções com quase 50 anos, escritas em uma língua estrangeira, sendo cantadas em uníssono por um estádio lotado, são a prova de que a obra de Gilmour é imortal. Um patrimônio da humanidade.

 

Foi um show emocionante, daqueles difíceis de aparecer outro para superar. Uma verdadeira viagem.

 

Obrigado, David Gilmour!

 

 

Please reload

Featured Posts

BANDA INGLESA "JAMES" FAZ SHOW SENSACIONAL NA TORRE DE BELÉM

September 9, 2019

1/10
Please reload

Recent Posts
Please reload

Archive